Páginas

domingo, 22 de abril de 2012

QUEM É QUEM? (José Nogueira Pinheiro)


Antonio Nogueira da Nóbrega



 José Nogueira Pinheiro, filho do Tenente-coronel João Rodrigues Pinheiro Landim (m. 10/11/1877) e Maria Cândida de Jesus (m. 19/12/1858), nasceu por volta de 1842, em Solonópole,  Estado do Ceará, e faleceu a 5/2/1900, aos 58 anos de idade, em São João do Rio do Peixe, Estado da Paraíba. Era talvez o primeiro de uma prole de 12 irmãos. Casou-se ele, em primeiras núpcias, com Manuela Nogueira,  consórcio do qual nasceram cinco filhos, a saber:  João Rodrigues Pinheiro Landim, mais conhecido por Joca, que se casou com Antônia Amaro da Silveira e Silva; Lucinda, casada com Antonio Tomás; Raimundo Rodrigues Nogueira Pinheiro; Amélia, casada com Anacleto; Maria Cândida Rosa Nogueira Pinheiro (m. 23/05/1900, aos 28 anos de idade), que se casou, em primeiras núpcias, com  Lourenço Dantas Rothea e, em segundas, com Miguel Antonio Ferreira Maia.
Depois de viúvo, José Nogueira começou a visitar a Paraíba, a negócios. Numa de suas visitas, pernoitou na casa de Raimundo Dantas Rothéa, localizada no Sítio Olho D’água, onde hoje funciona o Museu Otácia Dantas Rocha (particular), pertencente a João de Abreu Rocha.  No dia seguinte, acordou cedo e dirigiu-se ao terreiro do casarão, onde ficou  sentado a contemplar a beleza da natureza. Daí a pouco, as filhas de Raimundo passaram diante dele, cumprimentando-o com formalidade, enquanto se dirigiam à povoação de São João, a fim de assistirem à missa dominical. Uma delas, de nome Joana, chamou a atenção do viúvo, flechando-lhe o coração. Foi amor à primeira vista. Na mesma hora,  ele se dirigiu ao pai da moça e pediu-lhe a mão em casamento, sendo o  pedido aceito de bom grado. Quando as moças retornaram da Igreja, o pai comunicou o sucedido à filha, que o aceito sem reclamar. Casaram-se por volta de 1878, e foram residir na sede da fazenda das freiras, que ficava exatamente no local onde hoje se ergue o refeitório do Hotel do Brejo das Freiras.
Essa história me foi transmitida por Alzira Nogueira Dantas, neta de José Nogueira e Joana, pelo lado paterno, pois seu pai,  Evaldo Napoleão Dantas Pinheiro, era  filho desse casal. Já sua mãe, Maria Valentina Dantas, era filha de Vicente Dantas Rothea (m. 28/12/1926, aos 77 anos de idade), irmão de Joana Maria Dantas Rothea (m. 10/12/1924, aos 68 anos de idade), Domingos Dantas Rothea (n.  04/08/1855 - m. 19/10/1909, aos 54 anos de idade) e  Antonio Dantas Rothea (n. 17/07/1865);  filhos, portanto,  de Raimundo Dantas Rothea e Cândida Maria dos Remédios. Pelo lado paterno, Joana, Vicente,  Domingos e  Antônio  eram netos do caudilho são-joanense, José Dantas Rothea, que morreu  em 18/05/1862, aos 75 anos de idade. Pelos mesmos laços de consanguinidade, bisnetos do capitão-mor João Dantas Rothea, o fundador de São João do Rio do Peixe.
Ali, no antigo casarão dos Araújo, nasceram os seguintes filhos do casal: Honorina Leopoldina Dantas Pinheiro (9/6/1879), casada com Miguel Antônio Ferreira Maia; Evaldo Napoleão Dantas Pinheiro, casado com Maria Valentina Dantas; Álvaro Dantas Pinheiro, casado com Enedina Dantas Pinheiro, (primeira esposa), Dina Dalila Dantas (segunda esposa); José Nogueira Pinheiro, casado com Isabel Fernandes; João Nogueira Pinheiro, casado com Nicodina Fernandes Pinheiro; Francisco das Chagas Dantas Pinheiro, casado com Lídia Prado Dantas Pinheiro; Sólon Dantas Pinheiro, casado, em primeiras núpcias, com  Lauretina Gonçalves Dantas e, em segundas, com Dina Dalila Dantas;  Irinéia Dantas Pinheiro, casada, em primeiras núpcias,  com Francisco Dantas Rothea e, em segundas, com Manuel Dantas Rocha; Amália Dantas Pinheiro, casada com José Amaro da Silva); Odilon Dantas Pinheiro, mais conhecido por Odilon Nogueira, casado com Maria Santa Dantas Pinheiro; Antonio Nogueira Pinheiro, solteiro (viajou para a região Amazônica, na época da “Febre da Borracha”, mas não retornou à Paraíba, nem deu notícia. Na mesma época, seu irmão, Odilon Dantas Pinheiro, esteve no Acre, mas retornou à terra natal); Severino Dantas Pinheiro, mais conhecido por Severino Nogueira, casado com Maria Laura da Silva Pinheiro.

Em 06/07/1883, José Nogueira Pinheiro figurava como  membro do corpo de jurados, que era composto de 48 membros titulares e 17 suplentes.  E, a 20/03/1889, ele era nomeado coletor das rendas provinciais. Hoje, uma das ruas da cidade tem seu nome, dado pela Lei  nº  483, de 02/04/1978. Dos dois casamentos de José Nogueira Pinheiro (primeiro, com Manuela Nogueira, e segundo, com Joana Maria Dantas Rothea - 17 filhos), descende grande parcela da família Nogueira do vale do rio do Peixe. Depois de casada, Joana passou a chamar-se Joana Maria Dantas Pinheiro. Entretanto, no seu atestado de óbito, foi chamada de Maria Joana Nogueira Dantas.




_______________
A foto de José Nogueira Pinheiro provém do arquivo de Ednaldo.
A foto do casarão dos Araújo procede do arquivo de Rogério Cândido Ramalho Galvão.

3 comentários:

  1. eu daniel dantas pinheiro neto de josefa dantas pinheiro contato danielbag4@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julita Dantas era prima legitima de João Dantas minha vó e Mãe de maria Marlene hj com 79 anos
      Julita Dantas saiu de Teixeira aos 14 anos indo se refugiar por conta de Lampião, foi para casa de um tio lá casando se com um primo Augusto Alves , onde ela veio a falecer no momento do parto da minha Mãe
      Marlene

      Excluir
    2. Ela não conheceu ninguém da familia Dantas, hj possivelmente deve ter ainda primos de sua idade

      Excluir